29 novembro, 2016

Livro conta como é conviver com o Alzheimer em pessoas próximas



A experiência de conviver com familiares diagnosticados com a doença de Alzheimer é contada no livro “Filhos do Alzheimer”, escrito pela advogada Zênia Maria Chaves Lopes Alcântara e será lançado nesta quinta-feira (1º), às 18:30h na Pinacoteca do Estado, localizada na Praça 7 de setembro, Centro de Natal.

Tudo começou com um diário onde ela escrevia as suas angústias com a doença instalada no pai e na mãe ao mesmo tempo. Há 12 anos, Zênia Alcântara e os irmãos souberam do diagnóstico da doença no pai e passaram a estudar os seus efeitos, implicações, como conviver e dar qualidade de vida a ele. Seis anos depois, a mãe começou a apresentar os sinais do Alzheimer, doença neuro-degenerativa, progressiva que destrói a memória e outras funções mentais importantes. O pai recebe todos os cuidados e carinho dos filhos e netos, orientados por médicos e com ajuda de cuidadores. “Dentre os efeitos e implicações do Alzheimer estão os grandes reflexos da doença no cuidador mais próximo, neste caso, mamãe. Passamos a lhe dispensar todas as atenções sugeridas pelos profissionais da saúde, levando-a para psicólogo, hidroginástica, terapias etc.”, explica Zênia Alcântara, quinta filha de uma prole de seis. 

Além da doença neurológica, a mãe, que ajudava a cuidar do esposo, foi diagnosticada com um tipo de câncer agressivo e que lhe tirou a vida no início deste ano. Zênia e os irmãos passaram a cuidar dos dois (pai e mãe) ao mesmo tempo e cada um dentro de um estágio diferente da doença. Já sem a colaboração da mãe nos cuidados com o pai e tendo que cuidar dela também, começou a ficar perturbada, como ela define a sua aflição. “Até porque ninguém quer lhe dar ouvidos, passei a botar a minha angústia para fora num diário, que passou a ser o meu psicólogo. Foi como consegui ter equilíbrio nesses quatro anos. Escrevi até junho de 2015, quando papai completou 90 anos. Dois meses depois, mamãe foi diagnosticada com câncer e não consegui escrever mais uma linha”, lamenta.

De natureza sensível e compassiva, Zênia foi se posicionando naturalmente como cuidadora e tutora dos pais. No livro, a escritora fala sobre as dificuldades que é gerir totalmente a vida dos pais, os aspectos financeiros, os cuidados e a qualidade de vida dispensada para ambos, bem como o de  gerenciar a casa e administrar as secretárias e cuidadoras. O dom da escrita foi herdado da mãe, que gostava de escrever poemas, parlendas e apresentar nas festas da família. 

Os pais, Vicente Lopes e Zezinha Chaves Lopes, nasceram na cidade de Pau dos Ferros, região Oeste do estado, vieram morar em Natal ainda na adolescência. Primos entre si, apaixonaram-se, casaram e constituíram família (tiveram seis filhos, onze netos e quatro bisnetos) e fizeram com que a história deles ficasse mais bela com os  exemplos de amor e união.