23 novembro, 2016

O candeeiro não se apagou, nem o Ministério Público cochilou


O deputado estadual Ricardo Motta terá ainda muito trabalho para se explicar sobre o fato do seu nome está envolvido diretamente na Operação Candeeiro que investiga lavagem de dinheiro no IDEMA.


O Tribunal de Justiça já autorizou ao Ministério Público a seguir em frente com a investigação que apura o desvio de mais de R$ 19 milhões do órgão, onde o parlamentar exercia forte influência.    


O advogado Fábio Hollanda, que defende o ex-diretor administrativo do Idema Gutson Reinaldo no processo da operação Candeeiro, bate o pé e garante que 60% da verba desviada era entregue na casa e em um dos anexos do gabinete do então presidente da Assembleia Legislativa.