Comando de Greve do IFRN realiza ato em defesa da educação e estudantes ocupam Reitoria

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016











Com o acirramento dos ataques pelo Governo Federal aos direitos sociais e principalmente a educação, alunos e servidores do IFRN, com apoio do SINASEFE Natal, realizaram na tarde dessa quarta-feira (07/12) um ato que culminou na ocupação da Reitoria pelos estudantes. A iniciativa teve como objetivo defender a educação pública e denunciar o desmonte do serviço público. A mobilização teve início em frente ao Campus Natal Central e seguiu em caminhada até a Reitoria.



Munidos de faixas e cartazes, os manifestantes alertavam os pedestres e motoristas, que circulavam pela via sobre as consequências nefastas da implantação de medidas como a Reforma do Ensino Médio e a PEC 55, ambas recentemente aprovadas em comissões e votações na Câmara e no Senado Federal. Inicialmente, o grupo panfletou na entrada do IFRN e ao lado do shopping Midway Mall, enquanto o professor do IFRN, Raoni Souza, realizou uma aula pública sobre a Projeto de Emenda Constitucional.



Segundo o docente, a PEC 55 significará a fim de uma série e direitos sociais garantidos pela Constituição de 1988. “Com o congelamento dos gastos por vinte anos, não somente esse governo mais seus sucessores ficaram impedidos de financiar políticas sociais que viabilizam direitos básicos assegurados pela legislação, além de ser uma falácia do ponto de vista econômico”, explicou o docente. Para Raoni Souza, o governo possui outras alternativas melhores e mais eficientes para equilibrar suas contas, mas escolhe tirar justamente dos mais pobres. “O governo sustenta que precisa pagar a dívida pública e frear seu crescimento, mas não informa que o país possui uma dívida pública não auditada, se nega a aprovar projetos como a taxação de grandes fortunas e ao mesmo tempo mantém projetos como o bolsa empresário”, finalizou.  



Após a aula pública, alunos participantes do ato pediram a palavra e falaram sobre sua discordância com as medidas tomadas pelo atual governo e demostraram preocupação com o futuro da educação pública, muitos deles estiveram em Brasília, no último dia 29 e sofreram com a maciça e violenta repressão da polícia presente no local. A coordenadora do SINASEFE Natal, Socorro Silva, ressaltou a importância da mobilização dos servidores contra o desmonte do serviço público. “Apesar de muitos acharem que as medidas tomadas por esse governo ilegítimo não chegarão até eles, fica claro a cada novo ataque, seja ele através dessa PEC da maldade ou da recém anunciada reforma da previdência que todos seremos prejudicados no final. Esta não é uma luta por demandas individuais, mas pela preservação de direitos coletivos dos servidores e principalmente em defesa da instituição que trabalhamos”, explicou a coordenadora.



Ao final do ato, os manifestantes saíram em caminhada até a Reitoria do IFRN, onde foram recebidos pelo Pró-reitor de Ensino, Agamenon Henrique de Carvalho Tavares. Nesse momento, foi anunciada a ocupação do prédio pelos estudantes, que realizaram no local uma plenária e anunciaram suas reivindicações. Entre as principais demandas dos alunos estão: o pronunciamento oficial da Instituição contra as medidas do Governo Federal, em especial a reforma do Ensino Médio; a Lei da Mordaça e a PEC 55; a suspensão do calendário acadêmico, tendo em vista que diversos campus se encontram em greve; além de uma posição formal do Instituto garantido a reposição de aulas e a não perseguição de alunos envolvidos com o movimento estudantil.



O Pró-reitor, por sua vez, disse que a Instituição não tomará medidas arbitrárias contra o movimento estudantil. “A Pró-Reitoria não se posiciona contra as ocupações e está aberta ao diálogo, vim garantir que não haverá represálias, nós podemos ter algumas posições diferentes, mas não estamos em lados opostos. Eu como Pró-reitor de Ensino, conheço os estudantes que nós temos e acredito que haverá respeito por esse espaço que pertence antes de mais nada aos alunos. Eu fui na ocupação da Campus Zona Norte e chegamos a realizar atividades pedagógicas lá, essa instituição preza pela diversidade de pensamento e nós estamos aqui para garantir toda diversidade como deve ser em uma casa que se dedica a educação”, finalizou o gestor.



Após a fala do Pró-reitor, os estudantes realizaram uma nova plenária para definir detalhes da ocupação. Se dirigindo aos servidores e também à gestão, a coordenadora do SINASEFE Natal solicitou que o movimento paredista não seja tratado como um movimento partidarizado, menorizado pelo fato do número reduzido de servidores em greve. “ Apesar de estarmos em menor número, estamos lutando de pé por uma causa que não representa um benefício individual. Assim como nossos colegas que não paralisaram suas atividades, nós também temos compromissos, também estamos receosos em termos nossos salários cortados, como foi sinalizado por alguns gestores, mas nós escolhemos lutar, inclusive pelos que não apoiam o movimento”, enfatizou Socorro Silva. 



Os servidores que acompanhavam o ato também se reuniram e decidiram criar uma escala para acompanhar a ocupação e prestar suporte aos alunos, além de desenvolver atividades pedagógicas no espaço. Ao todo, 15 estudantes de vários campi permaneceram para passar a noite no prédio da Reitoria. No próximo dia 09 a direção do SINASEFE Natal se reunirá com o reitor do IFRN, Wyllys Farkatt, para discutir as reivindicações do movimento paredista, deflagrado no IFRN desde o dia 11 de novembro de 2016.