|

Nísia Floresta vai ganhar roteiro turístico

terça-feira, 31 de janeiro de 2017




O potencial turístico de Nísia Floresta foi reforçado com a conclusão das obras de recuperação da estrada que liga a praia de Barra de Tabatinga à BR 101, pelo Governo do Estado. A RN 063 dará novo impulso à economia e ao turismo na região. E a facilitação proporcionada provocou a Secretaria de Estado do Turismo e a Empresa Potiguar de Promoção Turística a idealizarem um roteiro para evidenciar as belezas praianas e a cultura do município.

“Temos uma estrada em perfeitas condições para levar o turista que pretende visitar Natal a desviar o caminho pela BR 101 em direção a Tabatinga, Camurupim, às lagoas, grutas e também ao potencial cultural de Nísia Floresta, enaltecido pela gastronomia ligada ao camarão e, principalmente, pelo pioneirismo da professora e escritora que dá nome ao município”, comentou o secretário estadual de Turismo, Ruy Gaspar.

A ideia do roteiro proposto pela Emprotur é explorar diferentes modalidades turísticas proporcionadas ao longo da RN 063. “Queremos montar uma rota que inclua restaurantes, vendas de artesanatos típicos, apresentações culturais e a história de Nísia, até chegar às praias e suas várias possibilidades de turismo, como prática de esportes náuticos, de aventura, lazer e belezas naturais”, destacou a presidente da Emprotur, Aninha Costa.

Nísia Floresta abriga as praias de Búzios, Pirangi do Sul (Pirambúzios), Camurupim, Barreta e Barra de Tabatinga. Ainda nos seus limites estão a Lagoa do Bonfim e do Carcará, e mais uma dezena de outras lagoas. A Estação Ferroviária de Papary foi transformada em aconchegante restaurante. As praias também são ideais à prática de windsurf e kitesurf. Há pontos ainda para esportes radicais, como o rapel, asa delta, trekking e off road. O baobá gigantesco e o mausoléu de Nísia Floresta também são bem visitados.

Recuperação – O Governo do Estado assinou a ordem de serviço para recuperação de 24 km da RN 063 em setembro de 2016. A obra foi orçada em R$ 5,4 milhões e concluída dentro do prazo de 120 dias para conclusão. Há mais de uma década a rodovia não recebia qualquer reparo e, mesmo sendo um importante corredor turístico do Estado, se encontrava cheia de buracos.