Pesquisa da UFRN comprova incidência de câncer pela ingestão de água em município potiguar

segunda-feira, 17 de abril de 2017




Pesquisadora mostra a realidade da população e as doenças adquiridas por água contaminada

O semiárido brasileiro abrange uma área de 974.752 km2 dos quais 86,5% ficam no Nordeste. Os rios, em sua maioria, são intermitentes. As chuvas, irregulares, concentram-se em poucos meses do ano, e a evapotranspiração - perda de água de uma comunidade ou ecossistema para a atmosfera - é elevada. Na região semiárida do nordeste brasileiro a escassez hídrica é uma realidade que deriva de aspectos climáticos, levando a sua população a enfrentar longos períodos de estiagem. Nesse contexto, a água de boa qualidade é escassa e representa um patrimônio natural de imenso valor socioeconômico.

O Rio Grande do Norte apresenta grande parte do seu território inserida na região semiárida brasileira, caracterizada pelo clima seco e quente, com chuvas que se concentram nas estações de verão e outono. Os solos são rasos, com ocorrência de vegetação do tipo xerófila, resistente a longos períodos de estiagem.

Diante desse cenário, foram construídos reservatórios, regionalmente chamados de açudes, para tentar amenizar as consequências da seca, que são utilizados para atividades de aquicultura, irrigação, lazer, pesca, entre outros. De acordo com a pesquisadora Viviane Amaral, do Departamento de Genética da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), estudos realizados nos principais reservatórios da região semiárida do Rio Grande do Norte revelaram sérios problemas de qualidade de água, incluindo a contaminação por metais. A pesquisa foi realizada somente pela UFRN, sem parcerias com outros órgãos. O objetivo principal do projeto é levar o conhecimento da universidade para as comunidades.

“Os resultados desses estudos indicam que a gestão inadequada de recursos hídricos pode ser o principal entrave para a conservação e uso sustentável dos mananciais disponíveis no semiárido brasileiro”, destaca a pesquisadora.

A boa qualidade da água deve ser mantida para garantir o uso de populações que dependem dela. De acordo com Viviane Amaral, como o cultivo de peixes e a pesca no Rio Grande do Norte são atividades de grande importância, uma vez que contribuem com a economia e geram renda para pescadores, aquicultores e a comunidade em geral, a situação requer maiores cuidados. “A perda da qualidade da água do açude, além de se tratar de um problema ambiental, é também um problema social, já que a saúde e a economia da comunidade são diretamente afetadas”.

Segundo a pesquisadora, medidas eficazes, sejam tecnológicas ou educacionais, precisam ser implementadas de maneira satisfatória para incentivar a conservação dos corpos d’água. “Dentro desta perspectiva, a pesquisa vem mostrando que a influência do fenômeno da radiação natural na saúde das populações que vivem nestas áreas de riscos. Ainda, não temos números, mas no prazo de dois anos, estaremos com todos os dados, os quais serão entregues aos órgãos responsáveis da sociedade civil”.

Diante deste panorama de problemas, a pesquisa foi direcionada para o município Lajes Pintadas/RN por ser o município com maior incidência de casos de câncer por ingestão inadequada de água, segundo a OMS.