Abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes na ordem do dia em Guamaré

sexta-feira, 19 de maio de 2017






Com apoio da administração municipal, a sociedade de Guamaré tem discutido amplamente as temáticas que envolvem o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes, nos últimos seis. Neste 18 de maio, um fórum reuniu profissionais e a população para debater o assunto na Câmara Municipal.
O tema proposto no evento foi: “A Corresponsabilidade da Justiça no Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”. Formaram a mesa da solenidade, a Secretária Municipal de Assistência Social e Presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente – CMDCA, Marisa Rodrigues e a vice-prefeita, professora Iracema Morais, que na ocasião representou o prefeito Hélio Willamy. 
Ministério Público presente
A Secretária de Educação, Cinthya Katterinny, a Presidente do Conselho Tutelar de Guamaré, Maria das Dores Simões e Juliana Câmara, assistente social e representante da Secretaria Municipal de Saúde também fizeram parte da mesa debatedora, onde o Ministério Público da Comarca de Macau esteve representado pela assistente social Giselda Vasconcelos. 
Tema discutido nas escolas
A temática foi trabalhada no município desde os dias 08 e 10 de maio, nas escolas municipais da comunidade de Salina da Cruz e no distrito de Baixa do Meio, através de parceria entre Educação, Centro de Referência Especializada de Assistência Social – CREAS, Setor de Alta Complexidade da Assistência Social e Conselhos Tutelar e de Direitos da Criança e do Adolescente.
A família em discussão 
Ainda nessa semana, na terça, 16, e na quarta-feira, 17, o assunto foi debatido junto às famílias referenciadas pelos Centros de Referência de Assistência Social – CRAS. O CREAS e o Setor de Alta Complexidade também participaram da mobilização.

Carta de Guamaré

Durante as discussões, a secretária Marisa Rodrigues lançou alguns desafios enfrentados pelos profissionais do CREAS, a exemplo da rotatividade de juízes na Comarca, a morosidade da Justiça para penalizar o agressor e a dificuldade de acompanhamento, tanto das vítimas, quanto das famílias e dos próprios agressores. As discussões do fórum culminaram com a elaboração da “Carta de Guamaré”, um documento que será encaminhado a outros órgãos com as demandas levantadas.


Executivo em alerta

Representando o prefeito Hélio Willamy, a vice-prefeita Iracema Morais fez um alerta para as famílias e para sociedade: “É preciso que todos estejam atentos, pois o agressor pode está dentro de casa”, observou dona Iracema, reforçando que o município tem uma rede preparada e bem articulada para proteger as famílias e as vítimas desse crime. 


Expectativas superadas
Para a Secretária Marisa Rodrigues, o fórum superou todas as expectativas. “Sentimos um amadurecimento na fala dos profissionais e na articulação e mobilização do trabalho em rede. Saímos daqui com o sentimento que é possível aumentar cada vez mais o zelo e o cuidado com o futuro das crianças e dos adolescentes de Guamaré,” concluiu.