Espetáculo com audiodescrição encanta público do Encontro de Dança em Natal

segunda-feira, 8 de maio de 2017




Deficientes visuais tiveram a oportunidade de fazer parte do público

O Encontro de Dança Contemporânea vem encantando o público em seu 10º ano e na noite dessa quinta-feira (04), no Barracão Clowns, durante a apresentação do espetáculo da GEDA Cia de Dança do Rio Grande do Sul, encantou deficientes visuais que pela primeira vez tiveram a oportunidade de ouvir a narração sobre um espetáculo de dança através da Audiodescrição.

A grande responsável por tal inovação de acessibilidade no Encontro de Dança foi Márcia Caspary, que veio acompanhando a GEDA. Atriz, dubladora, locutora e apresentadora de Rádio e TV há mais de 20 anos, Márcia trabalha desde 2010 com Audiodescrição (AD) – recurso de acessibilidade para pessoas com deficiência visual, traduzindo imagens em palavras. “Eu sou uma profissional da voz e através disso fui convidada a trabalhar com acessibilidade. Para os espetáculos eu preparo um roteiro, onde toda narração é feita descrevendo o cenário, a roupa da bailarina, o ambiente, os gestos, os movimentos, a iluminação, tudo que for informação para que o expectador escute através do fone de ouvido”, explica Márcia.

Através do equipamento de tradução simultânea, Luiz Carlos, um dos deficientes visuais que esteve no espetáculo, pode ouvir a narração. “Eu achei fantástico porque enquanto ela narrava eu visualizava tudo mentalmente. Sem dúvida é um instrumento de acessibilidade que todos os deficientes visuais merecem ter, principalmente em eventos culturais. Gostei muito!”, declarou.  

O espetáculo ‘Não Me Toque Estou Cheia de Lágrimas - Sensações de Clarice Lispector’, solo de dança contemporânea com a bailarina Fabiane Severo, do GEDA Companhia de Dança Contemporânea, foi concebido por Maria Waleska Van Helden, criadora do GEDA, com direção cênica de João de Ricardo, e duração de 45 minutos. James Correa assina a trilha sonora e Helena Beatriz Caldas Pedroso é a pianista convidada para esta temporada, executando as músicas ao vivo. O trabalho de acessibilidade através da Audiodescrição está presente nos espetáculos da GEDA Cia de Dança gaúcha.